#001 BULBASAUR

”As vezes o Bulbasaur pode ser visto tirando uma soneca sob a luz do sol. Há também uma semente em suas costas. Drenando a luz dos raios solares, esta semente pode se tornar progressivamente maior.” – Pokémon Ruby

Mais uma vez foi difícil escolher com qual começar. Porém, resolvi começar com esse dentre os três, pois tenho mais afinidade com o tipo Grama (além do mais, ele é o #1) e logo vocês irão saber o porquê.

Inicialmente, vou tratar de suas características morfológicas principais e uma delas é a condição tetrápode (animais que se locomovem sob quatro patas). Em algum momento na história da evolução peixes pulmonados ancestrais conseguiram transitar entre os ambientes ambiente aquáticos e terrestre. Um dos motivos que se acredita (dentre muitos estudos) para que tenham saído do ambiente aquático foi a de que a rica vegetação teria aumentado os níveis de oxigênio na atmosfera.  Isto levou ao acúmulo de matéria orgânica gerada pela vegetação que teria se acumulado no ambiente em que viviam, diminuindo os níveis de oxigênio na água e juntamente com outros desafios. Uma das soluções para isso foi a migração para o ambiente fora d’àgua . Os primeiros tetrápodes teriam tido a mesma origem que os anfíbios. Acredito que daí surgem algumas associações do Bulbasaur tendo a forma de sapo ou animais parecidos. Registros apontam  que a mudança do ambiente terrestre para o aquático ocorreu há mais de 370 milhões de anos. Mas para chegar onde eu quero preciso ir mais além, muito atrás na história do planeta. É aí que entra a Teoria da Endossimbiose. 

Esta teoria, proposta pela bióloga Lynn Margulis, em seu trabalho mais importante, diz que que a mitocôndria teria surgido a partir de uma endossimbiose. A grosso modo se diz que as mitocôndrias e cloroplastos teriam origem em um procarionte autotrófico, ou seja, que produz seu próprio alimento, e que esta foi fagocitada por uma célula eucarionte.

Mas como o Bulbasaur consegue drenar a energia a partir do Sol ?

Você em algum momento de sua vida já ouviu falar na fotossíntese, que é a característica principal dos vegetais (seres autotróficos). Neste processo eles captam, por meio de complexas estruturas, a  energia luminosa convertendo-a em energia química que e a principal fonte de energia celular. Esta move toda a vida e é a nossa única fonte primordial de energia para que se exista vida no planeta. Julgando pela coloração, este Pokémon faz uso de uma pigmento chamado de Clorofila. Esta clorofila é responsável pela coloração esverdeada dos cloroplastos, estruturas especializadas na captação de luz. Dentro destes, a luz é recebida de forma ativa através da excitação dos fótons e formarão moléculas que irão se dividir e formar moléculas conhecidas como ATP.

O ATP ( Adenosina Tri Fostato) é a principal moeda de troca energética e fonte de energia para a maioria dos seres vivos. Através da quebra de suas longas cadeias é liberada uma quantidade de energia que são captadas através de processos bioquímicos. Pois bem, vamos voltar para o Bulbasaur.

No mundo em que vivemos há vários exemplos de seres fotossintetizantes, porém, o único animal que se conhece, assim como o Bulba, adquire os cloroplastos através da ingestão de vegetais. Por exemplo temos o de uma lesma marinha (Elysia chlorotica) que pode passar dias ou até meses sem comer, apenas se aproveitando do mecanismo fotossintético.

Elysia-Chlorotica-Credit-Patrick-Krug
Créditos: Patrick Krug

Sendo o único exemplo de transferência gênica de um organismo para outro, estudos poderiam ser feitos para se comprovar detalhes da Teoria da Endossimbiose. Mas isso fica para outro post.  XD

2 thoughts on “#001 BULBASAUR”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *