#007 SQUIRTLE

O casco do Squirtle não é meramente usado para proteção. O formato arredondado de seu casco e as ranhuras em sua superfície ajudam a minimizar a resistência na água, fazendo com que este Pokémon nade em altas velocidades. – Pokémon Ruby/Sapphire

Para completar o trio de iniciais de Kanto, hoje eu trouxe o Squirtle. Automaticamente, ao ver sua aparência, nos lembramos das tartarugas. Um dos grandes assuntos tem sido sobre evolução desses répteis, porém, há poucos registros fósseis descobertos que nos mostram transições deste grupo ao longo do tempo. Os primeiros relatos sobre os ancestrais das tartarugas datam do período Triássico e pouco se sabe sobre suas modificações durante as eras.

Anapsid Diapsid Skulls Chp2 Fig1

Atualmente, se aceita que tartarugas são Anapsidas e não possuem aberturas no crânio além das oculares. Ao contrário disso, os Diapsidas, que se referem aos répteis, assim como os lagartos crocodilos e aves, pois estes possuem mais de uma abertura na região temporal de seus crânios. (¹)

Voltando à Pokédex, ela tem tudo para nos dizer sobre o que mais chama atenção nesses Pokémon: seu casco. Como esperado, este é chave para o sucesso evolutivo desta ordem. No mundo real, essas criaturas estão agrupadas em uma ordem chamada de Testudina, ou seja, as tartarugas, como dito anteriormente. Para muitos, o Squirtle é o mais simpático e preferido na hora de escolher como inicial; mas não se enganem, as tartarugas são de longe um dos grupos de vertebrados mais estranhos. Imagine passar a sua vida inteira dentro de uma estrutura recoberta pelos seus próprios ossos (casco), formada pela fusão de sua coluna vertebral e costelas achatadas e ainda com suas patas dentro das costelas.

 

a2b17d14ddb9bfa708dc0b0d8d0e88722d6a756ae58ed4e782418492ee06c938

Mas, como as tartarugas conseguiram seus cascos?

Você deve estar pensando na variedade de carapaças que as espécies de quelônios podem ter. A forma de seus cascos acaba refletindo em seus hábitos de vida como resposta de suas várias pressões seletivas impostas pelos ambientes em que vivem. Cágados, por exemplo, possuem cascos achatados com ossificações reduzidas para que não pesem tanto dentro da água, junto de patas especiais com membrana interdigital para auxiliar na natação. Já os jabutis possuem adaptações para viverem no meio terrestre com patas apropriadas para escavação e casco mais convexo. Alguns podem até trocar partes de pouco em pouco, acompanhando o crescimento do animal. Pode parecer uma tarefa difícil carregar sua ”casa” por aí, mas acontece que o material de que seus ossos são feitos é bem leve, o que ajuda na dinâmica dentro da água. O mais interessante sobre o casco é que, na verdade, se tratam de costelas achatadas revertidas por queratina. (!)

Pouco se sabe sobre a evolução de seu casco ao longo das eras. Ao que parece, eles tiveram uma origem a partir de um lagarto Diapsida, descoberto no ano passado (2015). Existe apenas um gênero, esse denominado Pappochelys rosinae, que morfologicamente fica intermediário com espécies encontradas desde o final do Triássico como o Odontochelys e Eunotosaurus do período Permiano. (¹)

Comparação de uma Tartaruga moderna com fóssil de Pappochelys
Comparação de uma Tartaruga moderna com fóssil de Pappochelys

Ao que tudo indica, o Pappochelys, que media cerca de 20 cm de comprimento, possuía uma série de estruturas ósseas protegendo a parte de baixo de sua barriga, confirmando que a fusão de estruturas semelhantes às costelas formou essa mesma parte, chamada de plastron, além de possuir uma cauda longa para ajudar na natação. O fóssil foi encontrado num leito de um lago, evidenciando que o Pappochelys vivia sua vida intermediando entre o ambiente aquático e marinho, assim como as tartarugas modernas. A parte de cima do casco seriam escudos epidérmicos, centros das vértebras alongadas apresentando constrições e no final se fundindo uma na outra.

Coluna vertebral vista do interior do casco
Coluna vertebral vista do interior do casco.

Se você, quando criança, achou que elas poderiam sair de seus cascos, estava muito enganado. Até semana que vem!

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *